Sala Crítica
Artigos Destaque Filmes

Por que mudou? Entenda o motivo por trás da reescalação do Máquina de Combate

Por que mudou? Entenda o motivo por trás da reescalação do Máquina de Combate

Quando entrou em produção, em 2007, Homem de Ferro era uma aposta ousada. Não apenas o projeto era um filme de US$ 140 milhões de orçamento baseado em um personagem quase na época não tão relevante da Marvel, como outros filmes de super-herói do estúdio dependiam do sucesso dele para ver a luz do dia, com Os Vingadores sendo o final do planejamento para o pioneiro universo compartilhado nos cinemas. E o protagonista do show não era a opção mais popular para a Paramount ou para o público.

Robert Downey Jr. estava recuperando a carreira após ter problemas envolvendo drogas e a justiça estadunidense. Ele tinha acabado de estrelar os excelentes Zodíaco e Beijos e Tiros, mas nenhum longa que tivesse sido um grande sucesso comercial – e vale ressaltar que a primeira escolha do estúdio era Tom Cruise, que abandonou o barco por não acreditar no projeto.

Em contrapartida, o elenco de apoio tinha nomes bem mais reconhecidos em Hollywood, como Gwyneth Paltrow, Jeff Bridges e Terrence Howard. O ator escalado para interpretar o melhor amigo de Tony Stark, o militar James Rhodes, era uma aposta segura. A carreira de Howard estava em constante ascensão depois de um elogiado papel no vencedor do Oscar de Melhor Filme Crash – No Limite e tinha acabado de ter sido indicado ao prêmio da Academia de Melhor Ator por sua performance em Ritmo de um Sonho.

O salário de Downey Jr. por Homem de Ferro foi de apenas US$ 500 mil – sequer era o maior pagamento da produção que, por sua vez, também não era o de Bridges ou da Paltrow. O maior salário era de Terrence Howard. O ator recebeu US$ 3,5 milhões pelo primeiro filme com uma promessa de US$ 5 milhões adicionais se uma sequência fosse aprovada. Howard também aceitou receber US$ 1 milhão a menos no seu pagamento para ajudar a convencer a Paramount a contratar o RDJ como protagonista.

E não é preciso dizer que a carreira de Robert Downey, Jr. deslanchou depois do lançamento do filme, que foi um hit que arrecadou US$ 585 milhões mundialmente. O ator ainda recebeu uma indicação ao Oscar por sua performance na comédia Trovão Tropical e assinou contrato com outra franquia milionária: Sherlock Holmes. Assim, Terrence Howard deixou de ser o ponto de venda da franquia Homem de Ferro e passou a ser Downey Jr. E assim os problemas começaram.

O astro colocou no bolso US$ 10 milhões para protagonizar Homem de Ferro 2, vinte vezes mais do que o seu salário pelo original. A participação de Rhodes foi diminuída na sequência e, assim, o pagamento de Terrence Howard também seria menor do que o acordado anteriormente para reprisar o papel do militar na franquia. Nem o ator nem o agente dele aceitaram essa decisão.

“Eu liguei para o Robby [Downey Jr.] e fiquei tipo ‘Olha, cara…’”, revelou o ator em uma entrevista a Rolling Stone, em 2015. “Deixei mensagens com os assistentes dele, liguei para ele no mínimo 17 vezes naquele dia e 21 no dia seguinte até que finalmente deixei uma mensagem dizendo ‘Olha, cara, eu preciso da ajuda que te dei naquele dia’. E nunca ouvi nada dele”, contou Howard.

E o ator completou: “E quem ganhou os milhões que eu deveria ter ganho? Ele pegou a franquia toda, então eu dei US$ 100 milhões pra ele, o que acaba sendo uma perda de US$ 100 milhões para mim por tentar ajudar alguém, mas, você sabe, até hoje eu teria feito a mesma coisa. É a minha natureza”.

Pouco tempo depois, o ator Don Cheadle, conhecido pelo seu papel na trilogia Onze Homens e um Segredo e Hotel Ruanda, assumiu o papel de James Rhodes em Homem de Ferro 2 e todos os filmes seguintes do MCU, usando também a armadura de Máquina de Combate. Hoje, tanto Howard como Cheadle têm um patrimônio estimado em US$ 35 milhões.


Quer ficar por dentro de todas as novidades sobre filmes e séries? Siga a gente no Instagram!

The following two tabs change content below.
Estudante de jornalismo, tem 21 anos e é assistidor de séries semi profissional. Viciado em cinema desde sempre, nunca trabalhou na área e pretende mudar isso algum dia. Fã do Studio Ghibli, slashers e musicais, adora cinema sul-coreano e nas suas formas de vingança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *