Sala Crítica
Críticas Destaque TV e streaming

The Mandalorian – Capítulo 16: O Resgate | Crítica

The Mandalorian – Capítulo 16: O Resgate | Crítica

Crítica da 2ª temporada de The MandalorianThe Mandalorian

Capítulo: 16 – O Resgate

Temporada: 2ª

Ano: 2020

Criação: Jon Favreau

Elenco: Pedro Pascal, Gina CaranoTemuera MorrisonMing-Na WenGiancarlo EspositoKatee SackhoffSasha BanksOmid AbtahiMark Hamill

[ATENÇÃO! CONTÉM SPOILERS DE THE MANDALORIAN]

O episódio final da 2ª temporada de The Mandalorian começa com Din Djarin, Cara Dune, Boba Fett e Fennec Shand indo atrás de uma nave que os ajudará a chegar até Moff Gideon e assim resgatar Grogu. A cena mostra uma ótima batalha espacial culminando na invasão da aeronave, onde encontram alguns subalternos e o Dr. Pershing, que teve contato direto com a Criança. Enquanto os pilotos da nave se recusam a se renderem, há um diálogo em que um deles, nitidamente pró-Império, fala que Alderaan (planeta de Cara Dune que teve sua destruição mostrada em Uma Nova Esperança) foi um custo insignificante perto das milhões de vidas perdidas na Estrela da Morte. Afinal, o que é um planetinha com alguns bilhões de habitantes perto dessa nave em forma de bola? De qualquer forma, este é apenas o começo. O Capítulo 16 de The Mandalorian ainda tem muito sobre o que falar.

O mote principal de O Resgate é, como o próprio título diz, o resgate de Grogu. Durante as duas primeiras temporadas, vimos Din Djarin (Pedro Pascal) desenvolver um amor paternal em relação a criança de 50 anos, e no último episódio, mais do que nunca, percebe-se que ele se tornou, de fato, pai de Grogu. O mandaloriano luta contra dark troopers – mais assustadores do que na primeira aparição – e quase morre em um embate físico por isso, tudo para resgatar Grogu de um destino cruel nas mãos de Moff Gideon (Giancarlo Esposito) e dos saudosistas imperiais.

O Resgate aprofunda muito pouco os personagens, mas compensa com um roteiro inteligente o bastante para se encaixar tanto na mitologia da série quanto do próprio Universo Star Wars. The Mandalorian acontece aproximadamente 15 anos após o fim de O Retorno de Jedi, e como Jon Favreau (que escreveu este episódio) e Dave Filoni são fãs da obra criada por George Lucas, eles sabem muito bem como encaixar um fan-service nisso tudo. A aparição de Luke Skywalker (interpretado por Mark Hamill, mas com rejuvenescimento em um ótimo CGI) já era algo teorizado desde quando Ahsoka Tano (Rosario Dawson) apareceu, mas ninguém imaginava que seria tão cedo. E que bom que foi!

A cena de Luke se encaixa perfeitamente no que foi estabelecido pela controversa trilogia sequência, mas sem deixar de agradar os fãs mais antigos e fervorosos. Luke aparece na nave de Moff Gideon – com direito a R2D2 – para levar Grogu a um planeta com um templo Jedi e treinar o garoto em suas habilidades, que ainda precisam ser melhor exploradas, no esboço do que seria uma academia Jedi. Não é novidade pra ninguém, mas no divisivo Os Últimos Jedi (que esse que vos escreve ama) é explicado que Luke fundou essa academia e que um de seus principais alunos era Ben Skywalker/Kylo Ren, que depois teria massacrado todos os membros após um ato de rebeldia contra seu mestre. Será que…? Melhor deixar esse assunto para depois.

E mesmo com tanto fan-service, Favreau e Filoni não se esquecem de que The Mandalorian caminha com as próprias pernas e deixam um grande gancho para ser explorado na já confirmada 3ª temporada. Din Djarin venceu Moff Gideon em combate e lhe tomou o sabre negro, tanto almejado por Bo-Katan (Katee Sackhoff), já que o mesmo foi dela anos antes. O que ninguém esperava é que existe uma regra não registrada sobre o sabre negro: quem vence o combate DEVE ser dono dele. Din Djarin não tem interesse nenhum na arma, mas tudo indica que ele precisará enfrentar Bo-Katan, pois quem está em posse do sabre negro se torna líder do povo de Mandalore, e essa é uma missão antiga da personagem desde The Clone Wars.

Depois de um episódio de tirar o fôlego do fã de Star Wars de qualquer geração, The Mandalorian nos brinda com uma cena pós-créditos que dá um relance do que vem a seguir… sobre Boba Fett (Temuera Morrison). A série The Book of Boba Fett foi confirmada logo após a cena em que o caçador de recompensas e sua companheira Fennec Shand (Ming-Na Wen) tomam o trono de Jabba o Hutt, que estava em posse de seu antigo subalterno, Bib Fortuna, e é a produção confirmada pelo Disney+ pegará este momento como ponto de partida. Aparentemente, a Disney está bastante empenhada em deixar a rivalidade Jedi x Sith um pouco de lado para focar no lado criminoso e contrabandista da galáxia.

E o que espera da 3ª temporada de The Mandalorian? Tudo o que eu quero é que Favreau e Filoni mantenham a qualidade. O desafio será maior, pois agora não teremos a figura de Grogu/Baby Yoda/Yodinha presente na série, e Din Djarin precisará lidar com o fato de que não podia manter a Criança para sempre em sua proteção. Provavelmente também teremos mais de Pedro Pascal, que tirou o capacete duas vezes durante a 2ª temporada, o que significa que o mandaloriano não está seguindo mais tanto à risca o juramento dos caçadores de recompensas. São tantas possibilidades de histórias, de conflitos de personagens e aventuras a serem exploradas. Portanto, uma coisa é certa: The Mandalorian reacendeu o amor do fã por Star Wars sem precisar se apoiar nos Skywalker, e isso é nada mais do que promissor para a franquia!

Nota:


Quer ficar por dentro de todas as novidades sobre filmes e séries? Siga a gente no Instagram!

The following two tabs change content below.

João Vitor Hudson

João Vitor Hudson é um publicitário aos 22 anos. Ama cinema desde quando desejava as férias escolares só pra assistir todos os filmes do Cinema em Casa e da Sessão da Tarde. Ama o MCU, e confia bastante no futuro da DC nos cinemas.

Latest posts by João Vitor Hudson (see all)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *