Sala Crítica
Críticas Destaque TV e streaming

WandaVision – Episódio 8: Nos Capítulos Anteriores | Crítica

WandaVision – Episódio 8: Nos Capítulos Anteriores | Crítica

Crítica de WandaVisionWandaVision

Ano: 2021

Episódio: 8 – Nos Capítulos Anteriores

Criação: Jac Shaeffer

Direção: Matt Sharkman

Roteiro: Laura Donney

Elenco: Elizabeth Olsen, Kathryn Hann, Paul Bettany, Josh Stamberg

ATENÇÃO: O texto a seguir contém spoilers de Wandavision. Siga por sua conta e risco.

WOW!

Essa foi minha reação ao assistir a última cena de Nos Capítulos Anteriores, oitavo episódio de WandaVision – e acredito que de boa parte do público também. Assistir a sete episódios com um desenvolvimento lento e poucos acontecimentos dignos de nota para a trama principal finalmente foram recompensados. Além de sabermos tudo aquilo que faltava para concluir o quebra-cabeça do enredo, fomos presenteados com um fanservice de primeira: Wanda Maximoff É a Feiticeira Escarlate. Que momento!

Seguindo a mesma lógica do episódio quatro, este oitavo capítulo interrompe a programação de sitcoms para voltar um pouco no tempo e “explicar” o que está acontecendo, mas dessa vez, sob a perspectiva de Agatha Harkness. Aqui, descobrimos como a protagonista se deprimiu a ponto de criar a realidade que observamos em Westview. Com uma sensibilidade comovente na direção e no roteiro, temos a oportunidade de dar uma rápida passada pelos episódios que marcaram a vida da vingadora, desde a morte dos pais até a perda do seu amado Visão. Nada soa gratuito ou estereotipado, já que a série embarca nos traumas e nos medos de Wanda Maximoff, e justifica de maneira muito eloquente a depressão que a fez criar essa fanfic de alta complexidade. Ouso dizer que a cena em que a Feiticeira encontra o bilhete deixado por Visão é um dos momentos mais emocionantes de todo o Universo Marvel.

Como nas HQ’s da Marvel, Agatha Harkness é uma feiticeira tão velha quanto poderosa, que já existia quando a população de Salem queimou suas bruxas. Embora não possamos dizer que a personalidade da anti-heroína foi efetivamente desenvolvida neste episódio, foi divertido voltar ao seu passado e conhecer um pouco de suas ambições. Kathryn Hann é impagável.

Mas este capítulo prova mais uma vez que Elizabeth Olsen é a verdadeira dona deste show. A atriz americana consegue conferir complexidade à personagem, nos fazendo sentir o drama que a órfã sokoviana vivenciou em sua vida. Wanda é uma pessoa marcada por seus traumas, e a força que ela faz pra superar isso e seguir em frente é comovente. Só é possível se identificar com ela por conta de Olsen, que com alguma sutileza, nos entrega todas as emoções da personagem.

Estamos na reta final de WandaVision, e tudo que resta é o seu desfecho. Tem sido uma divertida jornada até aqui, e não deixa de ser melancólico pensar que Wanda, inevitavelmente, terá de abandonar a vida que criou pra si e encarar a dura realidade. Confesso que, se dependesse de mim, ela viveria muito mais tempo em Westview.

Nota:


Quer ficar por dentro de todas as novidades sobre filmes e séries? Siga a gente no Instagram!

The following two tabs change content below.
Jornalista em formação, ex-membro do finado e saudoso Terra Zero e leitor de histórias em quadrinhos. Fã de ficção científica e terror, divide seu tempo livre entre o cuidado com suas dezenas de gatos e a paixão pela cultura pop. Sonha com o dia em que perceberão que arte é sim, uma forma de discutir política.

Comments

  1. […] e detalhes da trama foram estabelecidos nos episódios anteriores, especialmente o oitavo (que continua sendo o melhor de todos). Tudo o que resta é o “confronto final”, típico das tramas super heroicas. O […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *